LIVRO | A Pequena Guerreira

A PEQUENA GUERREIRA
Autor: Giuseppe Catozzella
Editora: Record
2016 – 1ª Edição

 

 

 

Samia Yusuf Omar começou a correr aos 8 anos de idade. Participou da corrida anual que acontecia na sua cidade natal, Mogadíscio, na Somália. A prova de 7km era aberta a atletas de todas as idades, que competiam em uma categoria única. Samia chegou em 10º lugar. Aos 10 anos participou novamente e chegou em 1º lugar. Foi a deixa para alimentar o sonho da pequena somali de chegar às Olimpíadas. Determinada, prometeu a si mesma que iria para Pequim-2008. E foi. Participou dos 200m rasos e chegou em último lugar. Foi aplaudida de pé pelo estádio lotado. Para chegar lá, Samia já havia superado muitos obstáculos para uma jovem somali de 17 anos.

Samia nas Olimpíadas de Pequim-2008 (foto Getty)

Guerra, grupos extremistas, pó e hostilidade

“Tudo é branco em Mogadíscio. As paredes dos prédios, perfuradas por balas ou parcialmente derrubadas por granadas, são quase todas brancas… como a terra das ruas, que se deposita nas fachadas e em todas as outras coisas.

Quando se corre por Mogadíscio, uma nuvem de poeira fina acompanha seus passos. Alí (amigo e primeiro treinador) e eu criávamos dois rastros brancos que, aos poucos, se dissolviam em direção ao céu.”

Nascida em 1991, ano em que iniciam-se guerras entre clãs somalis, apimentadas pelos militares fundamentalistas do Al-Shabab que por sua vez eram apoiados por extremistas do Al-Qaeda, Samia cresceu em ambiente hostil. Sem roupas ou calçados adequados, sem permissão para correr nas ruas, a menina muitas vezes treinava às escondidas, à noite, vestida de burca. Teve o pai assassinado por apoiá-la, perdeu o amigo e treinador Alí para os grupos extremistas, foi ainda mais hostilizada em seu país ao voltar das Olimpíadas e decidiu enfrentar a Viagem.

A Viagem

“A Viagem é uma coisa que todos nós temos na cabeça desde que nascemos… É como uma criatura mitológica que pode levar à salvação ou à morte com a mesma facilidade. Ninguém sabe o quanto pode durar. Se a pessoa tiver sorte, dois meses. Se tiver azar, até um ano ou dois”. Samia levou mais de 8 meses até entrar no barco para a travessia pelo Mediterrâneo até a Itália. Morreu no mar em 2012, tentando alcançar cordas jogadas por uma embarcação italiana.

Ilustração de Reinhard Kleist para a HQ An Olympic Dream: The Story of Samia Yusuf Omar.

A história de Samia é conhecida mundialmente pela bravura e determinação e inspira até hoje os poucos atletas somalis. Já ganhou várias homenagens, como a história em quadrinhos An Olympic Dream: The Story of Samia Yusuf Omar, pelo reconhecido desenhista alemão Reinhard Kleist. O livro A Pequena Guerreira foi vencedor do prêmio Strega Giovani, na Itália e publicado em mais de dez idiomas.

Mais do que conhecer a história de Samia, Pequena Guerreira nos leva a conhecer uma Somália fervente em todos os sentidos e ajuda a tentar entender a constante e perigosa migração a que tantos africanos se arriscam.

One Reply to “LIVRO | A Pequena Guerreira”

  1. Resenha perfeita, de uma história incrível!!!
    Samia, quando se trata de sonhos, ela é um exemplo de determinação!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *